Paris não se visita. Paris sente-se.

Quem me levou a entrar nesta viagem quis nas últimas horas em que lá esteve, sentir a cidade. Olhar para ela junto ao Sena. Apenas.

Desta vez senti. Olhei. Vi mais.

Não me limitei a fazer check nos locais turísticos obrigatórios. Não me limitei a ir de ponto em ponto de metro para riscar a minha lista de coisas feitas na vida. Parei. Contemplei.

Às vezes falta mesmo isso. Perder tempo a absorver o caminho e o ambiente. Temos demasiada pressa de chegar. Já dizia o António Variações. Queremos correr e ver tudo o que temos mesmo de ver. Não vemos nada.

Andámos muito. Percorremos avenidas intermináveis e vielas cheias de glamour parisiense. Sentámo-nos em banquinhos de jardim, entrámos em boulangeries perdidas entre bairros menos turísticos, saímos na noite atrevida, deixámos o frio acariciar-nos o rosto. Fomos franceses por breves horas. Rimos em praças emblemáticas, encontrámos a magia da noite a cair na cidade. Fomos de Paris sem querer. Não vimos a Mona Lisa. Vimos a essência cativante dos sorrisos das pessoas com que tivemos a oportunidade de nos cruzar. Vimos tão mais.

Brevemente explicarei a viagem em detalhe. Por agora deixo só a felicidade que ainda lateja em mim de ter tido um fim-de-semana diferente a preço diminuto, com pessoas maravilhosas e uma cidade luminosa.

Não é só Paris que devemos sentir. São todas as cidades onde estamos. Deixemos de ver sítios em massa. Sintamos antes o esplendor da sua existência.

Apreciar o caminho que percorremos. Em Paris e na vida 🙂

Esta publicação também está disponível em: Inglês

3 Comments

  1. LopesCa diz:

    Gostei de Paris mas não ao ponto de voltar 🙂

    Blog LopesCa/Facebook 

  2. Uma grande verdade. O caminho é tão (ou mais) importante do que o destino. E Paris é mesmo uma cidade incrível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

UA-66897269-1